Tag Archives: Poesia

Natal

Nasceu uma Luz no nosso caminho. Cegos, não A enxergamos antes. Doidos, não entendemos Sua mensagem. Muitos, chamaram-NA enganadora, Outros desafiaram Sua autenticidade, Indiferentes A ignoraram, Céticos desconfiaram.

Posted in Poesia Espírita | Tagged , , | Leave a comment

Herdeiros do novo mundo

Bem-aventurados os mansos e pacíficos… O mundo, eles vão pacificar, Do contrário, não adianta reclamar, Pois na Terra não vão ficar. O orbe terrestre clama por pacificação. Quem for manso e pacifico, da Terra será herdeiro, Aprenderá a ser bom … Continue reading

Posted in Poesia Espírita | Tagged , , | 1 Comment

Oração

Livro Parnaso de Além-Túmulo, José Silvério Horta – Chico Xavier. Pai Nosso, que estás nos Céus, Na luz dos sóis infinitos, Pai de todos os aflitos Deste mundo de escarcéus.

Posted in Poesia Espírita | Tagged , | 1 Comment

No Templo da Educação

Livro Parnaso de Além-Túmulo, João de Deus – Chico Xavier. Distribuía o Mestre os dons divinos Da luz do seu Espírito sem jaça, E exclama, enquanto a turba observa e passa: -“Deixai vir a mim os pequeninos!…”

Posted in Poesia Espírita | Tagged , , | Leave a comment

Lembrai a Chama

Livro Parnaso de Além-Túmulo, João de Deus – Chico Xavier. Vós que buscais além da sepultura A resposta de luz da Eternidade, Nunca olvideis a Excelsa Claridade, Que reside convosco na noite escura.

Posted in Poesia Espírita | Tagged , | Leave a comment

Fraternidade

Livro Parnaso de Além-Túmulo, João de Deus – Chico Xavier. Fraternidade é árvore bendita, Cujas flores e ramos de esperança Buscam a luz eterna que se agita, Rumo ao país ditoso da bonança.

Posted in Poesia Espírita | Tagged , | Leave a comment

A Prece, por João de Deus

Livro Parnaso de Além-Túmulo, João de Deus – Chico Xavier. O Senhor da Verdade e da Clemência Concedeu-nos a fonte cristalina Da prece, água do amor, pura e divina, Que suaviza os rigores da existência.

Posted in Poesia Espírita | Tagged , | Leave a comment

Simplifica

Livro Antologia dos Imortais, Casimiro Cunha – Chico Xavier e Waldo Vieira. Clamas que o tempo está curto; Contudo, o tempo replica: – “Não me gastes sem proveito, Simplifica, simplifica.”

Posted in Poesia Espírita | Tagged , | Leave a comment